Agile Brasil – 2º dia – 2ª parte

Continuando as palestras do 2º dia, após as lightning talks sobre métricas do Bassi e Renato, fui ver os sempre brilhantes Daniel Wildt e Eduardo Peres.

WorkShop – MVP – Daniel Wildt

“Se hoje eu acordasse sem emprego, o que eu faria?” – Ele iniciou com esta provocação, se eu estivesse iniciando hoje, o que eu quereria fazer, eu seria um empreendedor, procuraria emprego no mesmo lugar onde já estou 🙂 , trocaria de área ? Também como de hábito, sugeriu alguns livros, sites e pessoas:

Ele sugerir GUY KAWASAKI e sua regra 10 20 30, em que para apresentar uma idéia e ter a total atenção de sua platéia durante este momento, devemos usar até 10 tópicos, durante 20 minutos em fonte 30 ou mais. A tempo,  vou fazer um post especial sobre o Guy Kawasaki ainda neste final de semana.

Segundo Guy, o racional de um investidor para entender e analisar sua idéia:

  1. O problema
  2. Qual a solução
  3. Qual o modelo de negócios
  4. Valorize a mágica/tecnologia
  5. Marketing e vendas
  6. Competição
  7. Equipe
  8. Projeções e conquistas
  9. Status atual e cronologia
  10. Recapitule e chame para a ação

Sugeriu reiteradamente a importância de trabalhar com os conceitos da “Teoria das Restrições” (+info), do princípio apresentado também pelo Joaquim Torres de que devemos ter “Vergonha da primeira versão de nosso produto digital”, senão é porque demoramos demais para lançá-lo.

Nos apresentou o conceito por tras do livro “The Thank You Economy“:

  • Se sua empresa não esta permanentemente dialogando com seus clientes, ou ela é um monopólio, ou esta fadada ao fracasso;
  • Se voce é uma StartUp e não tem dinheiro sobrando, provavelmente não roubará o cliente de uma empresa já estabelecida se não tiver algum diferencial realmente especial que o conquiste;
  • O marketing é um poderoso diferencial, precisamos ser capazes de manter um diálogo direto e nos relacionarmos com cada um de nossos clientes;
  • Cada clientes é um “vendedor”, um profissional de marketing em potencial para a sua empresa, esta sempre comentando com amigos sua opinião, sua proposta tem que ser interessante o suficiente para que ele FALE sobre ela.

Finalmente, algumas as diferenças entre Business Model Canvas x Lean Canvas, estude ambos e use o que mais se encaixa a sua necessidade, neste caso, não há melhor e pior, há o mais oportuno para um negócio naquele momento. Não havia tempo suficiente para uma aula sobre os dois artefatos, apenas diferenças superficiais, por isso fui atras de algo que realmente fizesse a diferença e acabei encontrando um site ESPECIAL, cliquem no link abaixo e dêem uma olhada em um site que mostra os dois Canvas, com uma ferramenta para construção:

http://canvanizer.com/how-to-use/business-model-canvas-vs-lean-canvas :

(Abo)Lições aprendidas – Eduardo Peres e André Piegas – DBServer

Uma palestra libertadora, com muita interação da platéia, que se viu e foi além, compartilhando outros exemplos e situações demonstrando que devemos sempre experimentar e validar, antes de acreditar em dogmas, que podem vir a  atrapalhar mais que ajudar o seu processo de adoção e melhoria contínua.

  • Heresia, voce não pode fazer “isto”, isto não é Ágil!
  • Se voces não fazem “assim”, então não entenderam agilidade

Segundo o colega Junior Alves, coordenador de governança do Grupo RBS, muitas vezes vemos sobrarem “Críticas aprofundadas, feitas por pessoas que possuem conhecimento superficial” sobre o tema em questão.

Eduardo Peres lembrou o paradoxo apresentado pelo livro “Animal Farm” (A revolução dos bichos), de George Orwell, 100% alinhado também ao KeyNote Neal Ford com Distrações das Abstrações, pois uma lista de princípios foi astutamente simplificado em um único mantra “4 patas é bom, 2 patas é ruim”, abstração que acabou obscurecendo os princípios originais e permitindo que os mesmos fossem esquecidos. (+info)

Vale a pena clicar no link abaixo e assistir toda a palestra, página a página, muito auto-explicativas e instigantes, sem verdades ou mentiras, mas 100% evocativas a reflexão e retrospectivas por parte de quem as lê … recomendo!

http://www.slideshare.net/eduardomeiraperes/abolies-aprendidas

Palestra sobre StartUp – Dairton Bassi

Especialista em Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software, realizou uma apresentação em que transmitiu sua experiência no período em que colaborou com a StartUp http://www.dafiti.com.br/ para montagem de uma equipe e estratégia de TI de sucesso:

  1. Monte sua equipe
  2. Ownership e colaboração
  3. Crie uma cultura ágil
  4. Equlibre “Time to Market” e Tecnologia
  5. Mudanças frequentes
  6. Evolua o seu processo
  7. Diversifique agressivamente
  8. Deploys frequentes
  9. Quer ajuda ? Então, colabore ! Dê o exemplo.
Anúncios

2 Respostas para “Agile Brasil – 2º dia – 2ª parte

  1. A pergunta do Widt, é muito pertinente “Se hoje eu acordasse sem emprego, o que eu faria?” que pode ser adaptada para “Se algo inexperado acontecer, o que você faria?” É bem haver com com as metodologias ágeis.

  2. Pingback: Um ano e meio de blog – Obrigado galera! | Jorge Horácio "Kotick" Audy

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s