Scrum and The Perfect Storm

Em um artigo de 16/01/2003, dois grandes nomes do manifesto ágil, publicaram um artigo chamado “Scrum and the perfect storm” em que declaravam com detalhes o método Scrum, tentando através da desventura do barco Andrea Gail, introduzir ao leitor a diferença providencial entre seguir o plano, confiar na leitura dos instrumentos de bordo (métricas) ou olhar pela janela do deck.

Acho a analogia meio maluca, mas o artigo é um achado arqueológico, sobre como eles viam o método, lá no início, o pergaminho que precedeu o “Scrum Guide”, sobretudo, percebemos a beleza da verdadeira natureza ágil que o método tem em seu DNA, por ser ele próprio iterativo e evolutivo, é legal ver a nomenclatura e visão inicial e o quanto o método amadureceu desde então.

Repito, acho a analogia meio maluca, mas dá o recado, veja alguns pontos que pincei do artigo e invista uma horinha para ler o original, vale a pena:

  • Scrum é apenas um compilado de boas prática e bom senso;
  • O mundo corporativo é caótico e é inumerável a quantidade de distrações que podem perjudicar o time e o projeto;
  • Na nossa área é comum complicar, sofisticar, intelectualizar, agregar, mas precisamos lembrar que simplicidade é bom e melhor;
  • Scrum ajuda os times a focar no que importa e deixar aquilo que é menos importante no seu devido lugar, aguardando prioridade;
  • Precisamos escolher entre a ficção dos grandes planos, métricas e reports ou realmente nos envolvermos no projeto;
  • O principal ícone do Scrum é a Daily Scrum Status Meeting;
  • No Scrum todos sabem qual o objetivo principal da iteração e quais os objetivos pontuais de cada participante;
  • Scrum incentiva a interação, contra a tendência ao individualismo;
  • O maior benefício é a humanização do desenvolvimento de produtos através de comunicação diária, pactos e foco coletivo no objetivo;
  • Fazer reviews das viagens anteriores para aprendizado e melhorias das próximas é fundamental.

O Product Owner era chamado de Product Manager … já pensou, “manager”, eles devem ter trocado para não serem linchados pelos xiitas … rsrsrs!

Outro detalhe é a não declaração do papel do Scrum Master, isso quer dizer que se voltarmos no tempo, eu estaria demitido … Graças aos céus que mudou!

Sprints recomendados de 30 dias … 30 dias eu acho uma eternidade, tem tudo para acabar stressando, depois viria a flexibilizar para “de 2 a 4 semanas”.

Primeiro, leia aqui este famoso artigo “Scrum and the Perfect Storm
Depois, clique aqui e releia a última edição revisada do Scrum Guide.

A coisa mais maluca é que no livro e no filme o barco afunda, vamos considerar isto como uma liberdade poética e que a moral da história seria que o Scrum não é bala de prata afinal de contas  🙂

3 comentários sobre “Scrum and The Perfect Storm

    • Báh, companheiro, obrigado pela dica … já corrigi. Funcionava, mas a scrum.org deve ter mudado a pasta, conferi e tive que corrigir os links nas páginas de Links Úteis e Be-a-Ba do Scrum. Obrigadão, aí! 🙂

  1. Pingback: Um ano e meio de blog – Obrigado galera! | Jorge Horácio "Kotick" Audy

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s