Um bizú geral sobre Gestão do Conhecimento

A pedido de uma nova amiga de SP, um post com um patchwork em que apresento minhas crenças e práticas em relação à gestão do conhecimento (GC), que enquanto disciplina é primaz para atração e retenção dos jovens e veteranos talentos da era do conhecimento, no aumento da capacidade absortiva da empresa, incentivo a inovação e empreendedorismo!

Modelo SECI do conhecimento – Takeushi & Nonaka são considerados os pais da gestão do conhecimento, propondo um modelo que apresenta a alma da empresa baseada no conhecimento. Uma espiral iniciando nas pessoas, validando em grupos, compartilhando no inter-grupos, para então institucionalizar na forma de recomendações de boas práticas à organização (post detalhado).

_ modelo SECI

GC e Métodos Ágeis – A adoção e prática de métodos ágeis proporciona o uso de boas práticas em gestão de conhecimento, posto que técnicas colaborativas de ideação, modelagem, planejamento, execução iterativo-incremental-articulada, a valorização da interação humana proporciona a ativação da espiral do conhecimento em Socialização e Externalização. Mas fique frio, a Combinação e Internalização ficam por conta de programas transversais (post detalhado).

scrum

Modelo de Exploitation x Exploration – James G March anos após o modelo SECI ter sido proposto propôs uma abordagem tão relevante quanto a esperal do conhecimento, chamando a atenção de que há dois ciclos distintos nas empresas, o Exploitation aproveitando o conhecimento, produtos e serviços conhecidos, o Exploration representando a inovação, a renovação, novos produtos e serviços. Dois ciclos que podem ser entendidas como transpiração e inspiração, onde o segredo é manter ambos ativos e em equilíbrio (post detalhado).

exploration_exploitation

Comunidades de Prática (CoP) – É papel das empresas investir e incentivar, no mínimo não impedir  o compartilhamento e geração de conhecimentos através de reuniões transversais que proporcionem a realização de debates, palestras, workshops, estudos de casos, provendo tempo e condições para que isso aconteça a bom termo e gere resultados práticos em conhecimentos, métodos, técnicas e boas práticas (post detalhado).

CoP2

Escolas e Universidades Corporativas – Tenho visto cada vez mais empresas constituir equipes corporativas responsáveis por fazer acontecer a gestão do conhecimento, chamadas de escola ou universidade ou mesmo equipes igualmente empenhadas em incentivar e promover oportunidades focadas em fluir conhecimento e informação, processos e metodologias, estratégia corporativa e aspirações pessoais, via desenvolvimento humano, coletivo e organizacional.

Tecnologia a favor da GC: Ferramentas de colaboração (wiki, cms, redes sociais, blogs, fóruns, vídeoconf, sites de projetos, elearning), ferramentas de gestão de conteúdo, ferramentas de indexação, buscadores e data mining. Uma opção típica é o Moodle (Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment), plataforma aberta de apoio a aprendizagem, com chat, grupos, fóruns e pesquisas. A plataforma permite gestão de conteúdo, blogs e uma série de outras funcionalidades.

Art Of Hosting – Um conceito inspirado em uma rede internacional de pessoas conectadas por um diálogo profundo, participativo, que geram conversas e resultados significativos para a transformação dos indivíduos e organizações. A realização de debates, onde os colaboradores tem voz na identificação de prioridades em planos de ação e melhorias é uma oportunidade na busca do Senso de Pertença que queremos nas empresas do século XXI (post detalhado).

Toolbox, técnicas e dinâmicas – Há uma grande variedade de oportunidades de técnicas e dinâmicas passíveis de serem organizadas por nós, oportunidades da galera compartilhar seus conhecimentos e habilidades de forma positiva, contrapondo técnicas individualistas e hierarquicas tradicionais. O uso destas boas práticas são sinônimo de gestão do conhecimento aplicado inter e intra, para todos os níveis de relação, entre empresas ou internamente a elas (post detalhado).

encarte-III

Team Building Games – Jogos são usados pelas empresas de tecnologia, líderes de mercado, para incentivar a inovação e empreendedorismo, para introduzir de forma lúdica novos conhecimentos, informação ou oportunidades de mudança. Através de jogos e brincadeiras, ativamos a interação, instigamos a criatividade, alimentamos a capacidade absortiva e o aprendizado vicariante (post detalhado).

jogos-encarte-360

Conceito de Ba Office – Um ambiente instigante proporciona automaticamente a interação, a pró-atividade, inovação, incita os profissionais a irem além a partir do incentivo a interação, a colaboração e a cooperação. Salas abertas, espaços comuns, áreas de descompressão, copas amplas e confortáveis, boa iluminação, ergonomia, tudo isso influencia metodologias contemporâneas, ágeis (post detalhado).

Eventos intra e inter-organizacionais – Programas de eventos destinados ao incentivo do networking interno ou externo, geração e compartilhamento de conhecimento, ensino e aprendizado, utilizado por todas as opções anteriores, por escolas corporativas, grupos de usuários, comunidades de conhecimento ou de prática, promovendo e instanciando as teorias do modelo SECI ou de Exploitation x Exploration (Gerdau Agile Day e NeoTalks).

Modalidades de Eventos – Há um grande repertório de eventos possíveis, para cada tipo de evento há uma variedade de formatos utilizados, quer por escolas corporativas, grupos de usuários, comunidades de prática, praticantes de métodos ágeis, design thinking e tantos outros. Tudo inicia com a entendimento das metas e objetivos, a partir disso é possível escolher a modalidade, com painéis, debates, brainstormings, workshops, dojos (post detalhado).

Tem muito mais, mas estes são tópicos sobre os quais tenho postado nos últimos cinco anos, implantado em empresas, que muitas vezes buscam no SCRUM e KANBAN seu passaporte a modelos de empresas baseadas no conhecimento, preconizadas pelos míticos pesquisadores Takeushi & Nonaka, pais da gestão do conhecimento. Mas o fato é que metodologias ágeis sugerem mas não instanciam o ciclo completo, carecendo de técnicas complementares, como GU’s, CoP’s e conceitos de Universidades Corporativas.

Quer sugerir outros tópicos, conceitos ou tecnologias … comenta aqui  \o/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s