Arquivo da tag: scrum master

Savana Scrum – uma tira sobre brainstorming e fishbowl

Minha filha é ilustradora e faz o curso de cinema, propus a ela criar personagens para algumas tirinhas sobre técnicas e boas práticas ágeis. Assim, com o que ela sabe sobre agilidade em participações de alguns eventos meus e de conversar comigo ela criou o SAVANA SCRUM.

Serão personagens com personalidade e que aos poucos serão apresentados por ela, tem Scrum Master, Product Owner, tem equipe, cliente, devops e toda a galera, o primeiro eu pedi para ela ilustrar ao mesmo tempo um debate com votação dos tópicos mais relevantes, o uso de quadro kanban para fluxo e debate em fishbowl.

Sempre que ela tiver um tempinho livre na Wacom, entre tarefas e estudos acadêmicos, lazer e ilustrações como o meu livro de jogos e agora um livro de histórias infantis para uma prima da Marinês, radicada em Salvador.

Após os vários grupos fazerem seu brainstorming e criarem os agrupamento de temas escolhidos, os mais lembrados ficam no topo do quadro kanban que será usado para nortear o debate, que será em formato fishbowl.

A técnica de debate em grandes grupos se utiliza de cinco cadeiras, sempre quatro ocupadas e uma disponível, assim que iniciado, sempre que alguém da platéia sentar na cadeira livre, um dos ocupantes das outras quatro que se sentir menos participativo naquele momento levanta-se e libera a sua cadeira para o próximo.

O uso das cadeiras e participação em fishbowl é um ótimo exercício de auto-organização, cabe ao facilitador apoiar os debatedores no fluxo dos temas combinados, chamar a atenção para quando o debate esfria ou esquenta demais, a troca de temas e oportunidades que surgem em prol de valor em comum acordo.

Se você curtiu, comenta aqui, porque eu quero muito que a Luisinha se pilhe a fazer muitas destas tirinhas, mas preciso mostrar para ela que tem mais gente que curte. Se quiser compartilhar, curtir, mas o que tem mais valor é um comentário de incentivo … vou mostrar cada comentário para ela, essa trip vai ser muito legal!

ROI, você está calculando isso errado!

Desculpa ai, mas talvez você esteja calculando ROI errado. Evite usar uma visão restrita a resultados de curtíssimo prazo, não entre no lugar comum de avaliar o ROI apenas contra custos imediatos do projeto, o ônus posterior decorrente da ausência de domínio, qualidade, boa arquitetura, automação, não é acaso do destino, ele foi gerado conscientemente ou fruto do descaso. Softwares são ativos ou passivos, temos dezenas ou centenas deles em uma empresa, que gerarão um grande desperdício para mantê-los ou não.

Na década de 70 do século XX a relevância com os custos recorrentes e o valor agregado por um software já estava embutido nas Leis de Lehman, após 40 anos esta relação ficou ainda mais clara e racional. Se você demorou 6 meses para construir um produto que vai ser usado por 10 anos, é enganação calcular ROI apenas se atendo ao resultado dos 6 meses. Cada linha desnecessária ou de baixa qualidade gera sobre-custos e antecipa sua obsolescência, rasgando dinheiro na forma de mais e mais investimento, equipe, alocação, incidentes, insegurança.

projeto-x-manutencao

O racional de muitas empresas é produzir, quanto mais melhor, se depois gastar o dobro para manter e o triplo para refazer antes do previsto é outra história, o que importa é “seu projeto concluir com aparente sucesso”, “merecer parabéns e uma promoção por ter entregue” … quase ninguém considera ou reflete sobre débito técnico e qualidade-desperdício, no contraste entre o valor real e aparente.

A tempo, importante diferenciar CAPEX (CAPital EXpenditure) relativo a investimento e OPEX (OPerational EXpenditure) relativo a despesas operacionais, muitas empresas acabam dando especial atenção ao investimento para aquisição ou construção (temporário) em detrimento ao custo continuado (recorrente), que poderia ter sido amplamente mitigado, evitado ou melhor planejado.

Princípios e métodos ágeis, iterativo-incrementais-articulados, design thinking, devops, kanban, melhoria contínua, tantos fundamentos e argumentos são utilizados e o maior deles que é o desperdício em uma análise de ROI é muitas vezes esquecido. Como evitar? Lean Business Analysis, Métodos ágeis em projetos Scrum, Kanban para gestão de fluxo, XP para engenharia de software, qualidade e automação, sem esquecer DevOps, etc.

roi

1. Falta de boas práticas ágeis – Elicitação, modelagem, planejamento e execução colaborativas. O quanto não antecipamos riscos e oportunidades, validando e adaptando desde antes de construir, mitigando desperdícios?

2. Transição eterna – você inclui no cálculo de ROI daquele projeto que foi um “sucesso”, a necessidade de uma equipe de atendimento rápido para corrigir ou ajustar problemas em produção … que poderia ter sido evitado ou reduzido?

3. Retrabalho – Você calcula o tempo de vida do produto construído versus o custo de ter que refazer partes ou todo a cada tanto porque inviabiliza mantê-lo devido a tantos remendos pela falta de boas práticas de engenharia de software?

4. Não automação – Pesa no cálculo de ROI a falta de testes automatizados, inexistência de testes de regressão, de boas práticas de aceitação que pesarão contra a sua usabilidade, integridade e imagem futura junto ao mercado e clientes?

5. Insustentável – Você inclui no ROI o ônus de ter dito que a equipe virou semanas sem dormir gerando código feito sob pressão, stressados, cansados e com foco apenas na data, em entregar a qualquer custo (com baixa qualidade)?

6. Inutilidades funcionais – Você inclui no ROI o custo de ter feito requisitos e dados inúteis, que só tornaram o produto mais complexo e inchado, onerando sua evolução, escalabilidade e manutenção?

7. Insatisfação – Você inclui no ROI o turnover e seus desperdícios em eternamente estar treinando novos integrantes, porque acha que isso faz parte e não precisa de um programa de atração e retenção de talentos?

8. Hardware proprietário – Você inclui no ROI o custo de ter silos e feudos, um pedaço na cabeça de cada integrante e área, sem sinergia, investindo só em capital individual, pontos únicos de falha, na síndrome do super-herói?

Não tem mágica, precisamos atrair, valorizar e reter talentos, usar métodos ágeis, boas práticas em engenharia de software, investir no coletivo e senso de pertença, testes automatizados, code review, … Qualidade não é não ter bugs, é construir certo na medida certa, com uma empresa e equipe engajadas e conscientes, porque neste contexto a palavra sustentabilidade ganha outra dimensão e profundidade.

De toda forma, tem cada vez menos Baby Boomers enviando currículos e cada vez mais Millenials, talvez em breve possa faltar talentos querendo trabalhar para empresas que continuem dependentes de workaholics, peças fundamentais para manter códigos “eternamente legados”, onde ninguém assume a responsabilidade pelo futuro, mas ganha méritos por ter apagado mais um incêndio.

 

Jogo – Caixa de Pandora

Um quebra-gelo clássico que está lá no meu livro Jogos 360º, uma dinâmica de grupo que incentiva a empatia e sinergia, improvisar uma história de ficção dentro de regras e fundo de cena pré-acordados. É um jogo típico em alcateias de grupos escoteiros, criado para incentivar a criatividade e a imaginação em uma história irreal ou real com liberdades poéticas.

Aprendi e usei nos anos em que fui Kotick no ramo lobinho, as vezes para deixar voar a imaginação em histórias deles (lobinhos são crianças de 07 a 10 anos), as vezes em uma viagem pela mata, um passei em uma ilha misteriosa, muitas vezes novas histórias que poderiam compôr um Jungle Book II, mas também pode ser algo direcionado, sobre um acantonamento ou evento próximo.

timthumb

O que precisa de material é uma caixa ou saco com dezenas de itens planejados e/ou inusitados dentro, vários objetos comuns e peculiares, de forma a desenvolver um jogo divertido e que exija criatividade e perspicácia. Enquanto escoteiros, tinha uma corda, uma tampa de panela, um graveto, etc, ítens que deveriam instigar a imaginação deles em um acampamento, por exemplo.

Pode ser um misto de KIM (Jogo de memória), de forma que a medida que o jogo se desenvolve os participantes tem que lembrar o que já foi contado (I), podemos ter papel e lápis em mãos para exercitar uma facilitação visual, de forma a irem ilustrando o que está sendo contado (II) ou irem registrando a história de forma narrativa resumida (III). Eu curto o KIM ou a facilitação visual.

  • Existe uma só caixa com dezenas de itens dentro;
  • Coloque a caixa no meio da sala;
  • O primeiro a retirar deve criar o início de uma história;
  • Se existir um fundo de cena combinado, devem se contextualizar nele;
  • As cegas, uma pessoa após a outra retira um objeto da caixa;
  • Cada integrante retira e continua a história de onde parou, usando ele;
  • O grupo aceita ou não a continuação, em comum acordo;

Pode-se combinar que os outros não podem ajudar, podem ajudar na parte de relembrar a história até ali ou pode ser tido DOJO em que só quem o precedeu pode ajudar. A ajuda é para apoio, não deixe que uma ou outra pessoa conduza sozinha a história, o divertido é terem que se adaptar a imaginação daquele que o precedeu.

Por uma questão de logística, podem ser feitos medalhões com imagens coladas neles representando os objetos, facilita o transporte e nos casos em que são vários grupos. Quando em vários grupos é possível retirar uma só sequência de forma a que cada grupo crie sua história e faça o seu registro visual, para ao final expôr e fazer um pitch para vermos que cada história seguiu seu caminho.

PRINCÍPIOS: Um exercício de memória, criatividade, perspicácia, imaginação e adaptação, usado como quebra-gelo antes de dinâmicas mais densas. Dá para falar de empatia, integração, senso de time e superação.

DICA: Na caixa pode ter um celular, copo, bola, durex, dado, ampulheta, alguns brinquedos de plástico como carro, bonecos, panelas, bichos de pelúcia, relógio, caixas e embalagens. Se não for possível ter objetos, use medalhões com eles impressos ou com recortes de revistas. É possível direcionar o jogo com objetos ou situações específicas, contextualizado (eu tenho até hoje os cards contendo em cada um itens certos e errados de um acampamento).

TTalks – Keep Calm and Listen to the Scrum Master

A Luisa Audy foi ao Canal esta noite para ilustrar o evento, imagens que compartilho a seguir em três momentos, o da definição dos principais temas, mais desejados, a combinação da técnica Fishbowl e o debate propriamente dito.

Iniciamos do lado de fora do Canal Café, em pequenos grupos discutiu-se quais os temas mais relevantes a serem discutidos, para em seguida agrupar e estabelecer uma lista e escala de prioridades para  a noite. Estávamos em mais de 30 pessoas, os grupos para sugestão de temas foram de 3 a 6 pessoas, na medida em que iam discutindo, foram colando os postits, agrupando e assim definiram-se os temas:

20170208_230307p

A técnica fishbowl para debates em grandes grupos é bem simples e eficiente ao que se propõe, foram cinco cadeiras a frente, quatro iniciaram ocupadas por quem dispôs-se a iniciar o debate pelo primeiro tópico (Papel e atuação do SM). Na medida em que alguém queria também perguntar, responder, argumentar, qualquer um podia sentar-se na quinta cadeira, mas ao sentar-se, um dos quatro que ali já estavam precisa levantar, mantendo uma cadeira das cinco livres:

20170208_230432p

Iniciamos pelo tema do próprio papel e atuação do SM. Discutiu-se muito sobre alçada e envolvimento, o que diz o Scrum Guide, Curva de Tuckman, sobre o modelo de Fluência Ágil do James Shore, as diferentes maturidades de um time, ágil auto-organizado, conflitos ou não com os muitos e variados papéis existentes em empresas de médio-grande porte, como PMO, GP, Gestores e Lideranças. Este foi o tópico mais pegado e ocupou metade do tempo do evento …

Um tema apaixonante, que não tem respostas categóricas, pois o momento de adoção, piloto, rollout, mudança cultural, o quanto cada um dos profissionais envolvidos direta ou indiretamente podem ou não ter entendido os princípios ágeis e o modelo mental proposto mais que métodos e técnicas. Discutiu-se muito as dificuldades relativas a empresas, gestores ou líderes que ainda não se adaptaram ou não acreditam na mudança.

20170208_230452p

O segundo tema começou já eram 20:30 e pautou a questão da mudança, da maturidade, transição, … discutimos sobre estratégias de mudança, de adoção, de rollout, sobre a dedicação do Scrum Master, retornamos a questões sobre atuação, dedicação e viabilidade. Tangenciamos perfis de empresas e profissionais, idealizações e vida real, métodos híbridos e timing para aculturação.

A primeira metade do debate eu gravei com a ajuda da Alice, mas minha bateria acabou e eu me envolvi mais no debate da segunda metade do evento, então fiquei devendo … para amanhã vou tentar ficar mais na logística e cobrir todo o evento. Hoje eu fui disposto a não entrar no debate, mas o tema é bom demais para ficar de fora, ao natural tem muito tempero e pimenta, por isso é tão relevante:

Para o evento sobre o papel de PO de amanhã foram sugeridas algumas melhorias, como provocar a sugestão de temas pela galera já desde hoje na página do evento no Facebook, definir slots de tempo de 10 minutos para check de troca para o próximo tema, permitir que a galera interaja com perguntas ou provocações sem a necessidade de entrar para uma das cadeiras do fishbowl.

preparando

No final da noite tirei uma foto oficial, uma pena que quando percebi alguns já tinham saído, mas deu tempo de pegar a maioria. Muita gente querida e engajada, váááários Ttalkers de carteirinha. Tinha profissionais de várias empresas, muitas do parque e outras tantas de fora. Amanhã tem mais Açaí com morango e granola, para depois rolar um super debate mais pelo aspecto de PO, escopo, User Stories, ROI, senso de time, senso de pertença, e muitos outros etc 🙂

20170208_214933p

TTalks – Scrum Master e Product Owner

Participar de uma comunidade de práticas como o TecnoTalks é mais ou menos assim ó, as 20:00 eu posto uma provocação, perguntando quem viria a um evento para debater um tema. As 21:00 já temos mais de 20 comentários e 40 curtidas, assim, as 21:30 já temos dois eventos, apoio para o local e Coffee, agora é esperar.

  • 08/02 das 19:00 as 21:30 – Debate sobre Agile Coach
  • 09/02 das 19:00 as 21:30 – Debate sobre Product Owner

16426223_1379407488778864_8115525198203188123_nhttps://www.facebook.com/events/1741971279162366/

keep-calm-and-trust-your-product-owner-4-ii
https://www.facebook.com/events/1726637190960304

SM – Um evento aberto a todos que quiserem debater as oportunidades e dificuldades que temos percebido na atuação de um Scrum Master ou Agile Coachs. Faremos um brainstorming logo de início de forma a ir discutindo os temas mais relevantes para quem estiver presente, como papéis, lideranças, timeboxes, grooming, métricas, indicadores, estimativas, planejamento, assessments e tudo o mais que pulula nossa atividade.

PO – Um evento para quem exerce ou se interessa pelo papel de Product Owner, para falar deste importante papel, falar sobre o cliente, sobre técnicas de priorização, definição, tomada de decisão frente a mudanças, time to market, ROI, business, etc. Para compartilhar suas dúvidas, acertos e aprendizados, trocar experiências no uso de boas práticas ágeis ou não.

Sobre SM, o SCRUM GUIDE versão 2016 diz:

sm-scrumguide

Sobre PO, o SCRUM GUIDE versão 2016 diz:

po-scrumguide

O local é novamente no Canal Café, com aquele descontão nos cafés e chás:

qual-e-o-canal-ii

O risco do erro errado!

Acho que muitos não conseguem entender minha abordagem, mas alerto para um bordão que se perdeu, nada tem dos seus princípios. Não estou questionando Lean Startup, Agile, Design Thinking, apenas alertando que muita gente já esqueceu o porque é bom, se deixa levar pela ribalta ou ganha com isso – Errar é bom | Errar rápido | Não ter medo de errar!

asvezeserrarebom-ii

Cuidado com o Go Horse, é pangaré mas pode te atropelar! 😦

Errar é bom, mas é preciso APRENDER com nossos erros, evitar voltar a cometê-los, gerar lições aprendidas e melhoria contínua;

Errar é bom, mas há o aprendizado VICÁRIO de Bandura, aprendemos com nossos erros tanto quanto com os erros e aprendizados dos outros;

Errar é bom, mas não é nosso OBJETIVO primaz, é preciso lembrar que o bom é inimigo do ótimo, distinguir ideal, destemor e insanidade;

Errar é bom, sem GLAMOUR, é melhor um negócio andando pra frente que boas palestras, artigos na mídia e entrevistas, a não ser que você viva disso;

Errar é bom, mas cuidado para não se PERDER nesta perspectiva e acabam vendo o tempo passar, o dinheiro acabar e um classificados a sua frente;

Errar é bom, mas é papel do cliente e do líder QUESTIONAR o erro, ficar quieto e aceitar só porque errar é bom é sinal de perdulariedade;

Errar é bom, mas as vezes não PODEMOS errar, as vezes precisamos puxar para nós o senso de responsabilidade para atingir o resultado necessário.

Se ainda não entendeu se sou contra ou a favor do Errar é bom | Errar rápido | Não ter medo de errar … então sugiro mudarmos de assunto, porque há preconceitos outros implícitos na sua leitura e só uma conversa téte-a-téte para resolver, talvez comendo um açaí ali no Canal Café.

Se rolar o Açaí, vou trazer Argyris com aprendizado organizacional em single e double loop, podemos falar de Exploration x Exploitation, quem sabe enveredar um tanto sobre Senge e a quinta disciplina, Bossidy e Charan e a quarta disciplina, podemos falar Curva de Tuckman e finalmente sobre equipes auto-organizadas, Kaizen e as bases Poka-Yoke de Taiichi Ohno.

Há análises com as quais compartilho minhas dúvidas relativas a quantos bons negócios, produtos rentáveis e serviços de qualidade estão sendo jogados no lixo por uma geração de startups que priorizam mais a ribalta, purpurina, palestras e mídia que business.

Se errar é bom, acertar melhor ainda!

Muita gente usa esse e outros bordões da nova economia para ganhar visibilidade … e dinheiro, não só atuando como coach, em cursos e palestras, mas publicidade de graça. Eu sou um utilitarista, quero mais discutir planejamento, execução e se possível sucesso!

Acho que os princípios e lições do Lean, Lean Startup, Design Thinking, Agile, … se perderam no meio de uma engrenagem criada aleatoriamente por milhões de coachs mundo afora, tem em cada esquina e a cada curso de final de semana são formados mais algumas dezenas. Com meia dúzia de frases de efeito, auto-ajuda eficiente e um bom tanto de PNL, todos se sentem melhor e satisfeitos, felizes até com muito desperdício, erros, falhas, bugs, destratos, falências, etc … tudo isso em meio a muitos eventos, holofotes, purpurina, salamaleques e tudo o que a nova ordem trouxe junto na garupa … nada demais, é apenas a lei da oferta e procura!

Nas corporações, a deturpação dos princípios Lean e Agile arrisca estabelecer micro-culturas passivas, resignadas, afastando implantações sérias em grandes empresas, que acabam mantendo muito do comando-controle. Muitos profissionais e equipes querem liberdade sem uma quota proporcional de responsabilidade, que exije auto-conhecimento, auto-diagnóstico e auto-gerenciamento … senão, acaba mesmo precisando de grandes doses de hierarquia e controle.

Os 7 pecados capitais no ambiente de trabalho

Tudo em nosso dia-a-dia é significativo, nosso comportamento, expressões, queremos sempre, consciente ou inconscientemente, dizer algo ao mundo que nos vê e cerca. Nada é obra do acaso em nossos atos, nosso entorno chegará as suas conclusões e o tempo confirmará estes pressupostos.

A mente, o corpo e a linguagem interagem para criar a percepção que cada um de nós tem do mundo e que o mundo tem de nós. Precisamos parar com frequência para analisar os recados que nossas ações e corpo estão passando, acima de tudo lembrem-se, somos reféns do rastro de nossas ações, de nossa própria história.

No processo de comunicação, tudo o que falamos é 7% do resultado, 38% são resultantes da maneira como falamos, entonação e ênfase, 55% diz respeito a nossa linguagem corporal, expressões, gestos e postura, não esquecendo da influência de sua história, afinal de contas, as pessoas sabem quem você é.

Comunicação subliminar através dos 7 pecados capitais :

Não é incomum termos chefias ou colegas que fogem ou projetam suas frustrações e limitações através da agressividade exagerada, recorrente ou caricata. Como crianças mimadas, inseguras e imediatistas, lhes faltando argumentação equilibrada, acham que surtando as pessoas sairão correndo e realizarão seus pedidos;

 As vezes criamos nossos próprios monstrinhos, talvez gerando soberba na pessoa que elogiamos sem medidas, depois reclamamos por serem difíceis. Elogios ou premiações devem ser coletivos ou apropriados e sensatos, caso contrário gerará competição entre colegas, priorizando o individualismo acima do coletivo, priorizando aparências;

 Creio que não seja consciente, ao natural a maioria das pessoas com o tempo busca uma zona de conforto. Uma reação óbvia e inconsciente é depreciar quem esta tentando fazer diferente, é pessoalizar ações que possam contrapôr o ecossistema virtual que construímos ao nosso redor, de forma que as coisas se encaixem perfeitamente;

 É a fome desmedida, quer fome por poder, quer estar inovando sempre, pela busca de novos conhecimentos, pela centralização,  …, gerando uma pressão irracional ou incompatível com a velocidade possível para o time ou a organização. O maior risco é não darmos o espaço ou tempo necessário para que estes conhecimentos ou habilidades cresçam de forma sustentável.

 É valorizar em demasia o excesso de algo que deveria ser apenas o suficiente, como gasto irracional em legalzisses, em mobiliário, tecnologia, … Além do necessário, tornando o investimento um desperdício, apenas para chamar atenção para si mesmo, por interesses pessoais e não resultados;

 É passar da medida, é matar a galinha dos ovos de ouro, é sugar o que pode de sua própria equipe, área ou empresa, financeira, intelectual ou emocionalmente, querendo levar vantagem e ganhar em tudo sempre, querendo sempre mais, usando N pesos e medidas … conforme conveniência;

 É confundir o coletivo e o pessoal, é desmerecer o mérito de alguém, é tomar posições e decisões mesquinhas, é perder o equilibrio e o senso de justiça para valorizar ou ganhar pontos com alguém, independente de ser colega, chefe ou dono do negócio. Alguns não conseguem ver alguém brilhar!

Melhoria contínua

Antes de mais nada, precisamos querer melhorar, temos que tomar a decisão de melhorar e ajudar o time a evoluir, dar o exemplo, caso contrário ficaremos empatando o jogo eternamente, pois enquanto alguns puxam para cima, outros puxam para baixo e a diferença quem faz somos nós (baita responsabilidade).

Somos a média daqueles poucos em quem nos inspiramos e com quem interagimos, se isso é verdade, as pergunta são “Quem lhe inspira e porque, por virtudes? A troco de que alguém poderá se inspirar em você?” … estas duas perguntas deveriam ser repetidas diariamente no espelho pela manhã.

Sempre digo, com bom humor, que precisamos ter companheiros de viajem, aquela(s) pessoa(s) em quem confiamos e que nos darão um toque quando nos deixarmos levar pela situação e chutarmos o balde … de forma recíproca, ofereceremos nosso ombro e os incentivaremos quando necessário, o ideal é que seja uma matriz N x M, pois estamos todos na mesma estrada.

Cuidado, todos merecemos ter chances de melhorar, errar, aprender e tentar  novamente, mas em se tratando de pecados capitais, estamos falando de valores, crenças, provavelmente “Tudo o que acontece uma vez pode nunca mais acontecer, mas tudo o que acontece duas vezes, acontecerá certamente uma terceira” (provérbio árabe) … na enésima vez, temos que saber a hora de mudar … de parceiro, time, área ou … empresa   😦

provérbio_árabe